Terça, 26 Setembro 2017 10:01

Artigo 053- Geração de empregos formais em agosto bateu recorde em 2017

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Artigo Técnico 53/2017 de 26 de setembro de 2017

 

 

Geração de empregos formais em agosto bateu recorde em 2017

 

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) disponibilizados pelo Ministério do Trabalho, Roraima apresentou saldo de 415 empregos formais em agosto deste ano, sendo assim o maior valor registrado em 2017.

 

Gráfico 1 – Saldo de empregos formais por mês sem ajuste em 2017 - Roraima

Fonte: CAGED/MTE, 2017.

 

Além de ter apresentado o maior saldo no ano, em agosto foi registrado o quinto mês seguido de criação de novos postos de trabalho com carteira assinada, sendo que apenas no mês de março este saldo foi negativo.

A construção civil e a indústria de transformação foram os setores que mais geraram empregos no mês de agosto. A construção civil apresentou saldo de 156 novos postos de trabalho, já a indústria de transformação criou 145 novos postos. Na indústria o segmento que mais empregou foi o de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico com 132 novos postos.

O comércio foi o terceiro setor que mais empregou, criando 45 novos postos, seguido pelo setor de serviços com saldo de 44 postos, os serviços industriais de utilidade pública ficou com saldo de 25 postos, e a agropecuária com 7 novos postos de trabalho formal.

 

Tabela 1 – Saldo de empregos formais por setor em Roraima – 2017

Setores

Saldo de empregos formais

Agosto

Acumulado no ano

Extrativa mineral

-6

-1

Indústria de transformação

145

82

Serviços industriais de utilidade pública

25

90

Construção civil

156

519

Comércio

45

220

Serviços

44

653

Administração pública

-1

-91

Agropecuária

7

0

Total

415

  1. 472

Fonte: CAGED/MTE, 2017.

 

No acumulado do ano já foram criados 1.472 empregos com carteira assinada em Roraima, o setor de serviços é o que vem gerando a maior parte dos empregos formais com 653 novos postos de trabalho, seguido pela construção civil com 519 e o comércio com 220. O valor acumulado já conta com o acréscimo dos ajustes das declarações fora do prazo.

 

FÁBIO RODRIGUES MARTINEZ

CORECON-RR 2077

Ler 120 vezes